Home / Notícias / CNM divulga nota técnica sobre prontuário eletrônico nos serviços de saúde municipais

Notícias

Monday, 06 de March de 2017

CNM divulga nota técnica sobre prontuário eletrônico nos serviços de saúde municipais

A Confederação Nacional de Municípios elaborou uma nota técnica para explicar a necessidade e funcionalidade do Prontuário Eletrônico do Paciente nos serviços de saúde. O objetivo é reforçar aos gestores municipais a importância de implantação do sistema.

Na avaliação desta Confederação, o prontuário eletrônico é, atualmente, uma realidade notória que conquista cada vez mais espaço: os ganhos, tanto de tempo quanto assistenciais, a qualidade da assistência e a praticidade são muito impactantes para serem ignorados. Desse modo, a CNM acredita nos benefícios que a implantação do prontuário eletrônico pode trazer para os profissionais, usuários e para a gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) nos Municípios.

A recomendação da CNM, nesta hora, é a identificação da ferramenta ou solução (software), pública ou privada, mais adequada à realidade local e atendendo as padronizações e regulamentações nacionais do prontuário, bem como a realização de um planejamento das etapas e dos custos de implantação e manutenção do software.

Implantação do Prontuário Eletrônico do Paciente
A implantação do Prontuário Eletrônico do Paciente se tornou obrigatória com a publicação da Resolução 7/2016 do Ministério da Saúde. A medida abrange o registro das ações de saúde na atenção básica. Com isso, os Municípios se tornaram obrigados a instalar um software que atenda aos requisitos de padronização e de interoperabilidade com o SUS.

Basicamente, o prontuário eletrônico é uma ferramenta de acesso rápido às informações de saúde, clínicas e administrativas do paciente. Suas características principais são: acesso rápido às informações de saúde atualizadas de cada usuário; apoio à avaliação, a tomada de decisão e outros recursos. O prontuário deve, também, orientar o planejamento em saúde.

Atualmente o país conta com 41.600 UBS (Unidade Básica de Saúde), distribuídas em 5.506 Municípios. Dessas, 11.112 unidades já implantaram e utilizam o prontuário eletrônico, o que contempla 2.060 Municípios.

No final de 2016, 5.114 (92%) Municípios se manifestaram quanto a chamado do Ministério sobre o andamento da implementação. Desses, 3.054 (54,8%) Municípios justificaram a não implantação, 2.060 (37%) informaram que já haviam implantado o prontuário e 456 (8,2%) não justificaram.

Vale ressaltar que nos relatórios dos 3.054 Municípios que justificaram, os motivos que mais se destacaram correspondem à: insuficiência de equipamentos (computador, impressora, entre outros), conectividade, baixa capacidade dos profissionais para o uso do prontuário e falta de apoio em Tecnologia da Informação (TI).

Confira nota técnica aqui