Home / Notícias / Nos últimos dois anos, despesas com saúde avançaram nos Estados

Notícias

Monday, 13 de February de 2017

Nos últimos dois anos, despesas com saúde avançaram nos Estados

As despesas com saúde avançaram em pelo menos 16 Estados nos dois últimos anos. De 2014 a 2016, o percentual gasto no setor aumentou de 12,6% para 13,3%, considerando-se a proporção da despesa total dos Estados. Ao tempo em que a receita corrente líquida subiu 12%, o valor total de gastos em 26 Estados avançou 14,2%. Dessa forma, com a expansão, foram gastos R$ 10,9 bilhões a mais com a área de saúde de 2014 para 2016.
 
Os dados – divulgados no jornal Valor Econômico – tomaram como base as despesas orçamentárias empenhadas para a saúde constante do relatório de execução orçamentária. Apenas o Rio de Janeiro não foi pesquisado, pois não havia publicado os relatórios fiscais até o fechamento do levantamento.
 
Quando analisados individualmente, os dados apontam diferenças na média gasto por Estado. Em Minas Gerais, por exemplo, os gastos com saúde subiram 19,9%, enquanto as receitas subiram 12,8% nos últimos dois anos. Em São Paulo, as despesas tiveram elevação de 9,6% e a receita cresceu 3,6%. Na Bahia, a despesa aumentou 12,1% e as receitas 11%. Em Alagoas, por outro lado, os gastos com a saúde recuaram, de 11,9% para 10,8% na proporção da despesa total. A diminuição também ocorreu em outros nove Estados.
 
Para o Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), dois fatores motivam a expansão dos gastos. O primeiro tem é um fator estrutural e se refere à tendência mundial de aumento dos custos com saúde. A outra está relacionada à crise, pois, com o desemprego, milhares de pessoas tiveram que deixar os planos de saúde corporativos e recorrer à rede pública de saúde. Nesse sentido, os Estados que já tinham populações mais dependentes do sistema público tiveram menor expansão dos gastos.
 
O levantamento aponta, ainda, que enquanto a parcela de gastos financiados por recursos dos Estados cresceu 25%, os valores repassados pelo governo federal aumentaram 3,4%. De acordo com o Ibre, o governo federal parou de privilegiar o Sistema Único de Saúde (SUS), deixando de reajustar as tarifas dos serviços prestados por três anos. Como consequência, os governos estaduais e municipais estão tendo de financiar o SUS, alerta.
 
Agência CNM com informações do Valor Econômico