Home / Notícias / Protocolo de diagnóstico precoce de câncer pediátrico deve auxiliar profissionais da saúde

Notícias

13/02/2017

Compartilhe esta notícia:

Protocolo de diagnóstico precoce de câncer pediátrico deve auxiliar profissionais da saúde

Na última sexta, 10 de fevereiro, em comemoração ao Dia Mundial do Câncer foi lançado o primeiro Protocolo de Diagnóstico Precoce do Câncer Pediátrico. O estudo é uma parceria do Instituto Nacional de Câncer José de Alencar Gomes da Silva (Inca) e o Ministério da Saúde.

O estudo pretende auxiliar profissionais da saúde a conduzir casos suspeitos e confirmados dentro de uma linha de cuidado, com definição de fluxos e ações desde a atenção básica até a assistência de alta complexidade. Profissionais de todos os serviços de saúde terão mais segurança para considerar os achados clínicos com a idade, sexo, associação de sintomas, tempo de evolução e outros dados.

Os cânceres em crianças apresentam crescimento rápido, por isso, é muito importante que, para a obtenção de melhores resultados, ocorra o diagnóstico precoce e o ágil encaminhamento para início de tratamento.

Dados do Inca, mostram que a mortalidade por câncer entre crianças e adolescentes no Brasil está estável, sendo, atualmente, a primeira causa de morte por doença na faixa etária de 1 a 19 anos.

Estimativas indicam que, em 2016, ocorreram cerca de 12.600 casos novos de câncer em crianças e adolescentes até os 19 anos. As regiões Sudeste e Nordeste teriam apresentado os maiores números de casos novos, 6.050 e 2.750, respectivamente, seguidas pelas Regiões Sul (1.320 casos novos), Centro-Oeste (1.270 casos novos) e Norte (1.210 casos novos).

Sintomas
Entre os sintomas de câncer em crianças estão: palidez, hematomas, sangramento, dor óssea, perda de peso inexplicada, caroços ou inchaços, alterações oculares, inchaço abdominal, dores de cabeça persistente, vômitos e dor em membro, inchaço sem trauma.

Os tipos de cânceres infanto-juvenis mais comuns são as leucemias, seguidos dos linfomas (gânglios linfáticos) e dos tumores do sistema nervoso central (conhecidos como cerebrais). O número de óbitos por câncer nesta faixa etária é menor apenas do que o de causas externas, como os acidentes e violência. No Brasil, o câncer infanto juvenil responde por 3% de todos os tipos de câncer.

A publicação está disponível para acesso no site do Ministério da Saúde.

Agência CNM com informações do Ministério da Saúde


Notícias relacionadas