Home / Notícias / Recursos para projetos de mobilidade urbana têm previsão de queda no País

Notícias

Tuesday, 19 de July de 2016

Recursos para projetos de mobilidade urbana têm previsão de queda no País

A crise econômica pela qual o Brasil atravessa pode impactar os projetos previstos na área de mobilidade urbana. Com as dificuldades apresentadas na conjuntura econômica, dificilmente o montante de R$ 8,5 bilhões investidos no setor em 2015 se repetirá, e muito provavemlemente os valores ficarão bem aquém disso. A perspectiva de queda de desembolsos é do Departamento de Mobilidade e Desenvolvimento Urbano do Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES).

A redução de recursos para mobilidade urbana em 2016 vai afetar o ritmo das obras ainda 2017, já que muitos projetos deveriam ser iniciados neste ano e complementados no ano que vem. Até 2012, a média de liberação de recursos do BNDES era de R$ 1 bilhão por ano, essencialmente para metrô de alta capacidade e trens urbanos e metropolitanos.

Algumas obras que atravessam dificuldades na liberação de verbas são a Linha 6 Laranja do Metrô de São Paulo (SP), a Linha 18 Bronze do monotrilho, o chamado “monotrilho do ABC”, também na capital paulista, e a linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro (RJ). Os empréstimos para tais obras variam de R$ 3,2 milhões a R$ 9,5 milhões.

Para 2016, a previsão é de liberação de recursos menores e voltadas às obras de porte inferior. Houve recentemente a aprovação de empréstimo de R$ 2 bilhões para o Metrô de Salvador (BA), cuja responsabilidade é de uma Parceria Público-Privada controlada pelo Grupo CCR.

Segundo o Departamento de Mobilidade e Desenvolvimento Urbano do BNDES, para obras de maior porte, neste ano só devem ser liberados recursos para o financiamento das citadas em São Paulo. Caso os indicadores economicos melhorem e os financiamentos sejam retomados em 2017, os reflexos só serão sentidos no País a partir de 2018.

Da Agência CNM, com informações do jornal O Estado de S. Paulo