Home / Comunicação / Chuvas: Rio de Janeiro e região serrana estão em estágio de atenção

Notícias

09/01/2018

Compartilhe esta notícia:

Chuvas: Rio de Janeiro e região serrana estão em estágio de atenção

Desde a noite deste domingo, 7 de janeiro, que o Estado do Rio de Janeiro está em estágio de atenção por conta das fortes chuvas. Em apenas uma hora, entre 20h15 e 21h15, a estação pluviométrica da Barra/Barrinha, na zona oeste, registrou 50,6mm, o que corresponde a 33% do total esperado para.

Segundo o boletim do Centro de Operações da Prefeitura do Rio (COR), as estações da Barra/Riocentro e Campo Grande, ambas na zona oeste, e da Penha, na zona norte da cidade, também acusaram em uma hora mais de 20% da chuva esperada para o mês.

Durante a madrugada, o COR anotou 18 pontos com bolsões e acúmulo d'água em vias públicas, além de queda de galhos e árvore. Houve um deslizamento e afundamento de pista na Estrada Santa Maria, próximo ao cruzamento com a Estrada do Tingui, em Campo Grande.

De acordo com o Alerta Rio, a previsão para o dia de hoje é de tempo instável na cidade, com céu encoberto a nublado, chuva fraca a moderada de manhã e pancadas de chuva a partir da tarde. Há chances de rajadas de vento moderado a forte, principalmente à noite. A temperatura máxima prevista é de 28°C e a mínima de 19°C.

Região Serrana
Cidades da Região Serrana estão em estágio de atenção desde o dia 4 de janeiro e no sábado houve deslizamentos sem vítimas em Teresópolis, Nova Friburgo e Trajano de Moraes. Segundo o sistema de Alerta de Cheias do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), na região hidrográfica do Rio Piabanha, os rios Paquerer, Meudon, Fisher, Príncipe e Quebra Frascos, todos em Teresópolis, estão em estágio de vigilância.

Recomendações da CNM
A área técnica de Defesa Civil da Confederação Nacional de Municípios (CNM) solicita muita cautela por parte dos gestores de riscos locais, pois estamos passando pelo período chuvoso, o que é normal na época do verão. Ano passado em decorrência do fenômeno El Niño, o verão ficou bastante comprometido com chuvas bem abaixo da média em quase todo o Brasil, com exceção da região sul. Este ano o fenômeno enfraqueceu, e as chuvas de verão estão voltaram com maior intensidade, em especial nas regiões centro-oeste e sudeste.

Por este motivo, a CNM sugere algumas providências a serem tomadas pelos Municípios, vejamos:

Antes da Chuva:

  1. Junte o lixo e leve para áreas apropriadas, nunca jogue lixo na rua, encostas e rios;
  2. Limpe calhas, telhados e evite goteiras. Chão e paredes com trincas indicam perigo de desabamento;
  3. Se o seu bairro corre perigo de alagamento, levante móveis e eletrodomésticos, deixando-os fora do alcance da água e da lama;
  4. Desligue aparelhos elétricos e eletrônicos da tomada ou desligue a chave geral, válvula do botijão de gás, e registro de entrada d’água (cavalete);
  5. Caso a sua casa corra perigo de desabamento, ou se você mora em áreas de risco, procure abrigo em locais altos e secos;
  6. Procure conhecer por meio da Defesa Civil Municipal, os abrigos e os meios de evacuação que serão utilizados em caso de calamidade.
  7. Oriente sua comunidade a evitar rios, praias e lagos nos casos de alertas meteorológicos de tempestades e vendavais.

Quando está ocorrendo a chuva:

  1. Evite contato com a água de enxurrada e com a lama, pois podem estar contaminadas e causar doenças graves como febre tifoide, hepatite, leptospirose e cólera;
  2. Beba apenas água tratada (2 gotas de água sanitária para 1 litro de água). Se tiver vômitos, febre, diarreia, dores musculares, dor de cabeça ou ferimentos, vá a unidade saúde mais próximas com a maior brevidade possível;
  3. Não ande descalço em ruas alagadas. Não se arrisque na correnteza e procure ajuda de outras pessoas;
  4. Alagamentos escondem bueiros abertos e buracos, trazendo riscos de acidentes. Evite caminhar em áreas desconhecidas;
  5. Dirija devagar, fique longe do carro da frente e evite locais baixos perto de rios ou córregos, evite transpor pontes inundadas;
  6. Nunca atravesse ruas alagadas ou com enxurradas, mesmo de motocicleta, carro ou bicicleta, pois a força da água pode arrastá-lo;
  7. Caso perceba um princípio de deslizamento, avise imediatamente a Defesa Civil do seu Município e o Corpo de Bombeiros, bem como o máximo de pessoas que residem na área do deslizamento;
  8. Afaste-se e colabore para que curiosos mantenham-se afastados do local do deslizamento, poderá haver novos deslizamentos;
  9. Não deixe crianças trancadas em casa sozinhas;
  10. Mantenha sempre pronta água potável, roupa e remédios, caso tenha que sair rápido da sua casa;
  11. Conheça o Centro de Saúde mais próximo da sua casa, pode ser necessário;
  12. Avise aos seus vizinhos sobre o perigo, no caso de casas construídas em áreas de risco de deslizamento.
  13. Convença as pessoas que moram nas áreas de risco a saírem de casa durante as chuvas;
  14. Avise imediatamente ao Corpo de Bombeiros ou Defesa Civil sobre áreas afetadas pela inundação;
  15. Em caso de perigo chame a defesa civil municipal ou Corpo de Bombeiros.
  16. Oriente sua comunidade a deixar imediatamente rios, praias e lagos nos casos de alertas meteorológicos de tempestades e vendavais.

Outras ações municipais de defesa civil para períodos chuvosos:

  1. Elaborar o Plano Diretor de Desenvolvimento Municipal, onde serão identificadas as áreas de risco e estabelecidas as regras de assentamento da população;
  2. Fiscalizar as áreas de risco, evitando o assentamento perigoso em áreas inundáveis;
  3. Elaborar um plano de evacuação com um sistema de alarme. Todo morador deve saber o que fazer e como fazer para não ser atingido;
  4. Implantar o esgotamento de águas servidas e a coleta do lixo domiciliar;
  5. Indicar quais áreas estão seguras para a construção, com base no zoneamento;
  6. Como a maioria das cidades brasileiras está próxima aos vales e margem dos rios é importante o planejamento, a legislação e a fiscalização.

Com informações da Agência Brasil 


Notícias relacionadas