Home / Comunicação / Consulta pública sobre política de cuidados para idosos será aberta nesta quarta

Notícias

07/11/2017

Compartilhe esta notícia:

Consulta pública sobre política de cuidados para idosos será aberta nesta quarta

A partir desta quarta-feira, 8 de novembro, usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), profissionais e organizações da sociedade civil poderão participar de consulta pública sobre política pública específica de cuidado a pessoas idosas, visando ao envelhecimento saudável. O Ministério da Saúde lançou a pesquisa para orientar documento destinado as equipes de saúde da família e unidades de atendimento em todo o país.

A população-alvo é a da faixa etária acima de 60 anos, e os interessados terão 15 dias para enviar suas contribuições por meio da página do órgão (portalsaude.saude.gov.br). A intenção da nova política é promover tratamento aos idosos mais focado em um conjunto de fatores como o quadro clínico, a existência de alguma dificuldade que reduza sua autonomia, os hábitos alimentares e físicos e o contexto social do paciente.

Segundo indica o Ministério, as informações de cada avaliação serão registradas em prontuário eletrônico e em uma caderneta, fornecida ao paciente. Está prevista a distribuição de 3,9 milhões de unidades neste ano e 1,5 milhão em 2018. As 4,5 milhões de cadernetas cobrem 15% das pessoas nessa faixa etária no país.

Para funcionar, a nova política depende que sua implementação seja assumida pelos gestores estaduais e municipais de saúde e pelos profissionais e unidades de atendimento. Uma das sugestões do documento que será colocado em consulta pública é definir indicadores para monitorar se as orientações estão sendo aplicadas na ponta.

Posição da CNM

A Confederação Nacional de Municípios (CNM) lembra que já existe polícia transversal de promoção e cuidado da Saúde da população idosa, executada na Atenção Básica. Dessa forma, protocolos clínicos, de acolhimento assim como ações de acolhimento e escuta dessa População já são uma realidade. No entanto, a entidade entende ser necessária a ampliação das garantias dessa População tendo, na construção dos planos municipais de saúde o instrumento legitimo de consolidação de ações voltadas para esse público.

Com informações ABr


Notícias relacionadas