Home / Comunicação / Em seis anos, investimentos federais em transporte têm redução de 6,1%

Notícias

26/06/2017

Compartilhe esta notícia:

Em seis anos, investimentos federais em transporte têm redução de 6,1%

Entre 2010 e 2016, o investimento público federal em transportes caiu de R$ 19,7 bilhões para R$ 18,5 bilhões. O montante representa uma redução de 6,1%. Por outro lado, quando se considera o investimento total – ou seja, com público e privado – o investimento aplicado aumentou 26,5% entre 2010 e 2016.

Os dados constam no Anuário Estatístico dos Transportes, documento desenvolvido pela Empresa de Planejamento e Logística (EPL) e pelo Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil. A publicação traz informações sobre os sistemas e a infraestrutura de transportes em geral no Brasil e visa a apoiar na formulação de políticas públicas e na tomada de decisões sobre o setor.

Segundo o documento, o investimento realizado em concessões foi o que teve o maior aumento nesses seis anos. O valor passou de R$ 4,2 bilhões em 2010 para R$ 9,8 bilhões no ano passado, uma elevação de 133,3%.

Ainda de acordo com a publicação, o investimento público mostrou pequena recuperação em 2016, com uma expansão de 0,61%. Ao mesmo tempo, o privado teve queda de 19,3%, o que representou uma reversão de tendência em relação ao ano anterior. Para a EPL, a mudança tem a ver com a crise econômica e a insegurança em relação ao retorno financeiro dos investimentos.

A Confederação Nacional de Municípios (CNM) avalia que a crise econômica tem causado impacto negativo no setor de transporte, além da defasagem nos investimentos na infraestrutura, necessidade de ajuste fiscal, falta de segurança, a burocracia d o sistema tributário e a dependência do transporte rodoviário, que é o segundo mais caro, perdendo apenas para o transporte aéreo.

Os investimentos se concentram no setor rodoviário devido à facilidade de sua implementação, desconsiderando o alto custo de manutenção em relação a outros modais. Os investimentos devem ser mais uniformes entre os diversos modais logísticos, contribuindo com a intermodalidade, garantindo assim uma maior eficiência e uma redução de custos no serviço de fretes.

Agência CNM, com informações da Agência Brasil


Notícias relacionadas