Home / Comunicação / Em visita à CNM, gestores de Município catarinense relatam dificuldades para custeio de UPA

Notícias

14/07/2017

Compartilhe esta notícia:

Em visita à CNM, gestores de Município catarinense relatam dificuldades para custeio de UPA

Gestores municipais de Navegantes (SC) estiverem presentes à sede da Confederação Nacional de Municípios (CNM) na manhã desta sexta-feira, 14 de julho. Eles apontaram as dificuldades que o Município enfrenta para custear a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Município, cuja obra está em fase final.

Segundo o prefeito interino, Donizete José da Silva, o custeio da unidade supera a marca de R$ 700 mil por mês, recurso que o Município não possui, especialmente diante da crise financeira enfrentada pelo País. “Viemos discutir um problema sério que vivem hoje vários Municípios de Santa Catarina: aqueles que abraçaram e foram atrás do projeto da UPA. Estamos agora no início de uma nova administração e estamos com um prédio montado na cidade e hoje, com o custeio da UPA, nós não temos condição de banca-la”, afirmou.

A CNM vem chamando a atenção dos gestores e do governo federal para esse problema há anos. Um dos alertas foi feito pelo presidente da entidade, Paulo Ziulkoski, em 2013, durante entrevista ao jornal Correio Brazilense. “Há um problema crônico em relação a esses programas. Não vão para a frente porque não há dinheiro para manter as estruturas. A UPA é praticamente um hospital, mantê-la em bom estado custa caro”, disse.

Ziulkoski apontou que o custeio é muito maior do que o investimento feito pelo poder público federal. “A conta não fecha”. A entidade aponta que muitas dessas unidades não terem sido inauguradas devido à falta de equipamentos ou pela insuficiência de recursos humanos e financeiros da gestão municipal para mantê-las. Outros agravantes são os processos de habilitação e qualificação das unidades, que se arrastam por meses e, mesmo quando são contempladas, os incentivos federais são ínfimos para manter o serviço funcionando.

O secretário de Saúde, Alcídio Reis Pera, também destacou que a demanda na área de saúde é grande e que o Município está buscando priorizar os investimentos no setor. “Cerca de 85% da população utiliza o SUS [Sistema Único de Saúde]. E muitas cidades vizinhas utilizam o nosso serviço de saúde, pois são Municípios pequenos”, disse.

Também estiveram presentes os secretários de Governo, Cassiano Ricardo Weiss; e Adjunto de Obra, Jair Hipólito de Amorim. Eles destacaram que aproveitaram a vinda a Brasília para buscar apoio junto ao Ministério da Saúde para ajudar na manutenção da UPA, bem como para a compra de equipamentos e móveis para o Hospital Municipal.

Leia mais: Situação das Unidades de Pronto Atendimento nos Municípios foi tema de matéria em telejornal

 


Notícias relacionadas