Home / Comunicação / Estadão divulga estudo da CNM sobre impactos do programa Criança Feliz aos Municípios

Notícias

Segunda, 20 de março de 2017

Estadão divulga estudo da CNM sobre impactos do programa Criança Feliz aos Municípios

O jornal O Estado de S.Paulo deste sábado, 18 de março, trouxe estudo da Confederação Nacional de Municípios (CNM) sobre o novo programa do governo federal – o Criança Feliz. A entidade alerta que os custos ficarão, em sua maioria, a cargo das administrações municipais. “E em vez de consultar os Municípios para saber se eles têm condição financeira de participar, o governo acaba estimulando a adesão, para fazer propaganda do programa”, disse o presidente da CNM, Paulo Ziulkoski.

Intitulada Entidade aponta risco na adesão ao Criança Feliz, a matéria destaca que a Confederação vem apontando aos prefeitos os riscos à adesão. Segundo a Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2017, serão desembolsados pela União R$ 328 milhões ao programa. Os valores são repassados conforme o porte do Município.

Para os Municípios que possuem até 20 mil habitantes, o repasse será de até R$ 5 mil por mês; para aqueles com até 50 mil habitantes, o valor é de até R$ 7,5 mil por mês; e, para os de médio e grande porte, que possuem população superior a 50 mil habitantes, o repasse é de até R$ 10 mil mensais.

Para a CNM, a quantia é insuficiente. Dados da entidade mostram que o Município poderá ter que arcar com até 82% dos custos do programa. Mesmo nos Municípios de menor porte, a participação da prefeitura nas despesas pode ir até 64%. “É uma irresponsabilidade a que os municípios estão sendo induzidos”, alertou Ziulkoski.

A Confederação destacou, ainda, a segurança jurídica relativa ao programa. Isso porque a medida foi criada por meio de um decreto, não havendo, portanto, uma lei que o regulamente. Dessa forma, a União tem liberdade para congelar os repasses, assim como ocorre em outros programas federais.

Ao jornal, Ziulkoski destacou que considera o programa importante “como medida de assistência a crianças em situação de vulnerabilidade, mas que tem tentado apontar os problemas para que a gestão dos Municípios não seja comprometida”. Ele ressaltou que vem tentando marcar audiências o ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, e a primeira dama Marcela Temer – responsáveis pelo programa –, mas até o momento não obteve sucesso.

Leia mais:
Criança Feliz: estudo da CNM aponta graves problemas no novo programa do governo