Home / Comunicação / Prefeita paraibana representa CNM durante Conferência do Clima das Nações Unidas

Notícias

09/11/2017

Compartilhe esta notícia:

Prefeita paraibana representa CNM durante Conferência do Clima das Nações Unidas

A prefeita de Monteiro (PB), Anna Lorena, representará a Confederação Nacional de Municípios (CNM) durante a 23º Conferência do Clima das Nações Unidas (COP 23). Agendada para os dias 16 e 17 de novembro, a COP 23 será na sede da Convenção das Nações Unidas sobre Mudança Climática (UNFCCC), em Bonn.

A Conferência é o momento em que líderes mundiais, representantes de governos locais e da sociedade civil, se reúnem para discutir os avanços obtidos nas agendas de combate as mudanças climáticas. Além disso, as autoridades definem as próximas ações necessárias para o desenvolvimento sustentável do planeta, sem comprometer os recursos naturais já existentes e garantir a preservação das espécies.

Presidida pela República das Fíji – país na Oceania – e organizado pela UNFCCC, a Conferência deste ano também conta com o apoio de autoridades da Alemanha. No caso da participação da Confederação, a entidade foi convidada pela Organização Mundial de Cidades e Governos Locais Unidos (CGLU), entidade na qual a CNM faz parte.

09112017 COP23Bastante engajada no municipalismo brasileiro, Anna é a representante da Federação das Associações de Municípios da Paraíba no Movimento Mulheres Municipalistas (MMM). Já nas questões ambientais, seu Município foi o primeiro a receber a transposição das águas do Rio São Francisco.

Expectativas

As expectativas são de que na COP 23 as discussões sejam pela busca de ações que promovam o avanço na implementação do Acordo de Paris, e desenvolvam diretrizes sobre como pontos do Acordo poderão ser implementados em diversas áreas. Temas como financiamento, transparência, adaptação, redução de emissões de gases, capacitação e tecnologia devem ser debatidos durante a programação.

O Brasil chegará a COP sem ter cumprido os compromissos que havia estabelecido pelo Acordo de Paris, uma vez que aumentou em 9% as emissões de gases causadores do efeito estufa, além do aumento do desmatamento da floresta Amazônica. A nação também se encontra em uma posição constrangedora em relação a comunidade internacional devido aos escândalos ambientais.




Notícias relacionadas