Home / Boas Práticas / CNM compartilha boas práticas municipais durante a semana do Dia Internacional dos Museus

Boas Práticas

21/05/2019

Compartilhe esta notícia:

CNM compartilha boas práticas municipais durante a semana do Dia Internacional dos Museus

No próximo sábado, 18 de maio, será comemorado o Dia Internacional dos Museus. Para celebrar a data, a área técnica de Cultura da Confederação Nacional de Municípios (CNM) vai apresentar, ao longo desta semana, experiências inspiradoras de museus municipais, que demonstram aos Municípios brasileiros diversas possibilidades de atuação no campo da gestão pública de cultura.

Pelotas, no Rio Grande do Sul, é conhecido pelo seu Conjunto Histórico que, em 2018, foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), tornando-o Patrimônio Cultural Brasileiro.

Entre os bens culturais que fazem parte desse Conjunto Histórico, encontra-se a sede do Museu Municipal Parque da Baronesa. A instituição – que é vinculada à Secretaria Municipal da Cultura de Pelotas –, iniciou suas atividades em 1982, após doação à prefeitura de parte da propriedade onde foi construída, durante o apogeu das charqueadas, no século XIX, o Solar da Baronesa.

DivulgaçãoExposições
O museu abriga uma exposição permanente que remonta aos diversos ambientes de uma casa com mobílias da segunda metade do século XIX até os anos 30 do século XX. Os itens demonstram hábitos e costumes da sociedade pelotense da época. Além dessa, destacam-se as exposições temporárias Sincretismo Religioso no Museu da Baronesa e A Batucada do Charque.

A primeira estreou no museu em 2014 e foi retomada em 2017, integrando o Projeto de Visibilidade do Negro no Museu da Baronesa. A segunda, que se encontrou aberta à visitação de novembro de 2018 até o fechamento do museu, em fevereiro de 2019, ao ter como tema central o instrumento musical sopapo - um tambor de origem africana -, também faz parte do atual processo da instituição em explicitar a história dos negros escravizados nas charqueadas da região.

O Projeto de Visibilidade do Negro foi criado pela equipe do museu, que, em 2014, decidiu que o assunto deveria ser devidamente contemplado no discurso da instituição. A partir de então, foram realizadas diversas iniciativas, como inserções em textos de salas expositivas, rodas de conversa e contação de histórias. Em reconhecimento, o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) concedeu ao projeto, no ano passado, o Prêmio Modernização de Museus.

Além disso, foi criado, em 2018, o Projeto de Acessibilidade no Museu da Baronesa, visando tornar o museu acessível a públicos diversos, inclusive, pessoas com deficiência. A instituição tem trabalhado para que os visitantes tenham à disposição audioguia e audiodescrição.

DivulgaçãoParcerias e ações
Com 37 anos de atividade, o Museu firmou importantes parcerias. Na lista estão a Faculdade João Paulo II, a Universidade Católica de Pelotas (UCPel) e a Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Os estudantes dos cursos de História, Arquitetura, Turismo, Museologia, Conservação e Restauro e Design de Moda participam da programação do museu e colaboram como estagiários.

A sede é uma casa de, aproximadamente, 150 anos, o que demanda manutenção constante do espaço. No primeiro semestre de 2018, foram realizadas obras de melhoria em vários pontos do telhado, viabilizadas pelo patrocínio da Associação de Amigos do Museu da Baronesa (AMBAR). Atualmente, devido a um problema elétrico, o museu encontra-se fechado à visitação. Contudo, o trabalho não foi suspenso. Com escavações arqueológicas no entorno da casa, espera-se contribuir para a construção da reserva técnica do museu, que abrigará o acervo da instituição.

Além disso, os recursos do prêmio do Ibram foram utilizados para adquirir equipamentos de detecção de fumaça e câmeras visando garantir a segurança da estrutura e do acervo. Com esses recursos também será possível requalificar os equipamentos de informática, auxiliando nos setores de pesquisa, documentação e comunicação da instituição.

A área técnica de Cultura da CNM destaca o trabalho do Museu da Baronesa, que não se limita à preservação e exposição do seu acervo. A instituição se preocupa em desenvolver iniciativas que buscam ampliar e fortalecer sua relação com o público visitante por meio de projetos que promovem o conhecimento em relação à história do Município e o acesso aos direitos culturais de pessoas com deficiência.

ArteO Museu da Baronesa faz a sua parte, contribuindo para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 4, 10, 11, 16 e 17.

O museu do seu Município desenvolve alguma boa prática? Compartilhe com a CNM.

Quer saber como a Confederação pode ajudar a sua gestão da Cultura? Participe da Lista de Transmissão da área técnica de Cultura da CNM pelo WhatsApp. Acesse o link e salve o nosso número na agenda do seu celular.

Da Agência CNM de Notícias