Home / Comunicação / Casos de chikungunya motivam decreto de estado de emergência em Município

Notícias

06/07/2018

Compartilhe esta notícia:

Casos de chikungunya motivam decreto de estado de emergência em Município

26012018 mosquito aedes ag. brasilA prefeitura fluminense de Campos dos Goytacazes decretou estado de emergência devido à situação de epidemia da chikungunya. O Município tem notificados, até a última terça-feira, 3 de julho, 2.365 mil casos de chikungunya confirmados por meio de análises clínicas, epidemiológicas e sorológicas. Foram registrados também 95 casos de dengue, mas não há casos de zika e febre amarela.

O decreto do prefeito Rafael Diniz autoriza a entrada de agentes do Centro de Controle de Zoonoses em imóveis cujos proprietários estejam ausentes ou recusem o serviço e o remanejamento de servidores para atuar no combate ao Aedes aegypti, transmissor também da dengue, zika e febre amarela. Desde maio, em vários mutirões, foram percorridos 33 bairros com ações em cerca de 27 mil imóveis, mas 18 mil foram encontrados fechados. O decreto leva em consideração a proliferação do mosquito no interior do estado do Rio de Janeiro e o resultado do Levantamento de Índice Rápido do Aedes Aegypti (LIRAa), que foi de 6,1% e é considerado de alto risco. A localização geográfica do Município, próximo à divisa e a regiões de mata, que facilita a circulação do vírus, além da baixa imunidade da população do país ao vírus Chikungunya são outras motivações.

Além disso, o decreto destaca que a entrada forçada em algum imóvel deve ser considerada "fundamental no trabalho de contenção da doença com oferta de risco à saúde dos vizinhos". Nesse caso, os agentes estarão acompanhados de funcionários da Vigilância Sanitária, Guarda Civil Municipal ou da Polícia Militar. A ação deverá ser registrada com fotos e vídeos que constarão no chamado "auto de ingresso forçado”.
Medidas
Desde o mês de maio, quando foi constatada infestação do Aedes aegypyi no Município, a prefeitura de Campos vem adotando medidas como reforço dos mutirões nas regiões com alto índice do mosquito, descentralização do atendimento primário na rede de saúde e a intensidade da atuação dos carros do tipo fumacê. Também aumentaram o número de testes laboratoriais feitos na rede básica de saúde e o de mutirões de identificação de proprietários de terrenos para que façam a limpeza da área.

Com informações do G1


Notícias relacionadas