Home / Comunicação / Cenário internacional mostra que volta às aulas pode ocorrer de forma planejada e cautelosa

Notícias

17/09/2020

Compartilhe esta notícia:

Cenário internacional mostra que volta às aulas pode ocorrer de forma planejada e cautelosa

CNMA experiência internacional com a retomada das aulas durante a pandemia do novo coronavírus pode trazer lições valiosas aos gestores públicos municipais e à população brasileira. A Confederação Nacional de Municípios (CNM) promoveu, nesta quinta-feira, 17 de setembro, o seminário técnico Pandemia x Calendário Escolar. Em um dos painéis da tarde, o consultor da área de Saúde Denilson Magalhães apresentou dados referentes a outros países.

“Estamos vivendo momentos de incertezas. A pandemia não passou, mas precisamos planejar muito o encerramento de ano e o próximo. Porque continuamos, em 2021, combatendo o coronavírus. É um problema mundial e temos um cenário de tentativas de retomada bem diverso”, adiantou Magalhães. O impacto da Covid-19 na educação é tão abrangente que organizações internacionais, como a Organização Mundial de Saúde (OMS) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), alertaram para as perdas que crianças e adolescentes podem ter sem as aulas.

“Qualquer retomada precisa ter cenário epidemiológico muito bem descrito para subsidiar decisão dos gestores. Vendo os outros países, só 30% dos alunos voltaram para as escolas”, observou. Em seguida, ao falar das dificuldades no continente africano, ele fez uma ressalva: “Aumento da taxa de evasão escolar, da desnutrição e da violência infantil são preocupações nossas também. É o momento de união das nossas políticas sociais, ações conjuntas e coordenadas. Muitas crianças faziam suas principais refeições nas escolas”.

Ações
Segundo o consultor, os planos de retomada diferem muito, de continente e mesmo de país. Algumas ações e protocolos, porém, se repetem: distanciamento nas salas e espaços de convivência; higienização frequente; uso obrigatório de máscaras de proteção; redução do número de estudantes, professores e funcionários; alterações dos horários e dias de aulas com redução da carga horária/dia; modelo híbrido, mesclando ensino presencial em dias alternados da semana com o ensino remoto.

AFPA maioria dos países pesquisados pela CNM planejou e implementou a volta às aulas em setembro e outubro, sendo que muitos viram aumentar os casos de Covid-19, sendo obrigados a parar as atividades presenciais novamente. “E essa é uma preocupação por causa da ansiedade que se gera nas crianças, de irem para as aulas e depois terem que voltar para o ensino remoto”, alertou o consultor da Confederação.

Por continente
Na Europa, algumas nações retomaram em maio. Contudo, Denilson Magalhães chamou atenção para situações extremas: a da Suécia, que não fechou as escolas, e a Itália, mais impactada, que retomou aos poucos a partir de agosto. Na Oceania, que conseguiu controlar melhor a disseminação do vírus, ele destacou que os governos adotaram protocolos nacionais de controle para abertura das escolas.

A Ásia tem realidades bem claras. A dos primeiros países atingidos, China, Japão e Coreia do Sul, que estão funcionando. Seis países, ou 43% dos pesquisados, com planos de retomada escalonada para setembro ou um sistema híbrido, em que a educação remota será utilizada com a presencial. E uma maioria, que inclui Afeganistão, Índia e Israel, sem previsão. Na África, o cenário é mais preocupante, já que o número de casos é crescente, e, como o Brasil, há muitas disparidades sociais e dificuldade das famílias em acessar o ensino à distância.

A apresentação do período da tarde complementou fala do presidente da CNM, Glademir Aroldi, na abertura do seminário. Com a responsabilidade de definir as políticas locais, os gestores devem tomar suas decisões tendo como prioridade a saúde da população. "Vivemos uma situação de pandemia mundial. Basta olhar para a América do Sul, onde só o Uruguai retornou com as atividades escolares. Chile e Argentina só voltaram parcialmente, porque a decisão é complexa", afirmou.

De acordo com apresentação de Magalhães, poucos países na América retomaram. Bolívia e Peru já decretaram que não voltam neste ano; no Paraguai, o ano letivo foi encerrado; Colômbia, Equador, Venezuela, Cuba e Canadá pretendem começar entre setembro e outubro de maneira gradual; e o México retomou recentemente as aulas de maneira remota.

Por Amanda Maia

Imagens: CNM e AFP

Da Agência CNM de Notícias

Leia também
CNM destaca autonomia dos Municípios para reabertura de escolas com base em dados científicos e diálogo federativo

Secretaria de Atenção Primária à Saúde recomenda que retomada das aulas considere realidade local

Orientações para a retomada escolar integram plenária de Seminário promovido pela CNM

Especialistas esclarecem dúvidas sobre calendário escolar na pandemia

Em seminário sobre retomadas das aulas, CNM recomenda ações em saúde sanitária

Desafios dos Municípios para a retomada das aulas e o calendário escolar são destaques da Educação


Notícias relacionadas