Home / Comunicação / Gestores do Paraná debatem sobre eleições municipais em videoconferência

Notícias

21/05/2020

Compartilhe esta notícia:

Gestores do Paraná debatem sobre eleições municipais em videoconferência

21052020 AMP 03As Eleições 2020 foram tema de reunião por videoconferência promovida pela Confederação Nacional de Municípios (CNM) em parceria com a Associação dos Municípios do Paraná (AMP). Na oportunidade, o presidente da CNM, Glademir Aroldi, esclareceu o posicionamento do movimento municipalista e o que a entidade tem feito junto ao Executivo, Judiciário e Legislativo federal.

Iniciando a transmissão, o presidente da AMP, Darlan Scalco, elogiou o trabalho que tem sido desenvolvido pela Confederação. “Se o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, se manifestou é porque a CNM está trabalhando muito”, disse passando a palavra ao presidente Aroldi.

Ressaltando a importância da união entre CNM, Associações e prefeitos, o presidente da CNM fez uma breve explanação do trabalho que vem sendo desenvolvido pela entidade, não só no caso das eleições, mas como pelo pedido urgente de sanção pelo presidente da República do PLP 39/2020. “Se a primeira parcela da ajuda financeira vinda do PLP 39 não chegar neste mês muitos Municípios do país irão atrasar folha. Mas o que preocupa é pós-julho. Se houver eleições em outubro e a gente não avançar, não conseguir mais ajuda financeira, teremos uma eleição com percentual muito alto de Municípios com certeza atrasando folha dos seus colaboradores. É uma situação muito complicada”, citou.

Democracia
Um dos pontos mais levantados pelos gestores durante a videoconferência, foi a questão da participação democrática, tanto de eleitores, quanto de candidatos. Aroldi reforçou que o pleito, acontecendo este ano, não assegura igualdade de oportunidade entre concorrentes, já que boa parte dos candidatos tem mais de 60 anos e muitos com problema de saúde. “A gente entende que isso é uma dificuldade e que não é democrático. Nós vamos excluir boa parte da população da possibilidade de concorrer às eleições de outubro deste ano. isto não é legal nem democrático”.

A possibilidade de outras pessoas participarem das eleições também estaria arriscada. Neste caso, o líder municipalista citou como exemplo os médicos. “A democracia já foi colocada em risco. Um médico que deseja se candidatar, teria que se licenciar para concorrer a vereador ou prefeito. Mas e o preço que ele vai pagar por ter abandonado a profissão num momento em que mais a sociedade precisa? Estamos tirando a possibilidade de profissionais da saúde que concorrem a cargos eletivos. Essas pessoas estariam de fora do processo”, completou.

Entrega e transição de mandato
21052020 AMP 02O prefeito de Barracão, Marcos Zandoná, lembrou da situação de suspensão do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), que aconteceria em novembro e foi prorrogado. Na oportunidade, ressaltou a necessidade de se observar outras questões. “Como o prefeito vai ter cabeça para fazer campanha num período que ele tem que fazer entrega de mandato?”, disse.

Aroldi reforçou que são inúmeras as dificuldades que poderão acontecer nos Municípios caso as eleições ocorram em dezembro, por exemplo. “Este é outro fator que inviabiliza as eleições ainda para este ano. Na possibilidade de se realizar as eleições em dezembro, teríamos em 27 de dezembro o segundo turno. Nós começamos no Brasil a trabalhar o encerramento no mandato pós eleição, assim como a transição. Além disso, na questão dos profissionais da saúde, como vai trocar equipe no meio da confusão toda?”, completou.

Reeleição
No caso de uma unificação ou de mandatos ou prorrogação das eleições, Aroldi foi questionado sobre a possibilidade de, um prefeito de primeiro mandato, concorrer à reeleição. Na oportunidade, respondeu dizendo que tudo vai depender do texto detalhados pela Emenda Constitucional. “Qualquer mudança em relação às eleições, será necessário fazer através de Emenda Constitucional. Fazer isso agora já marcando a data da eleição para dezembro, é um risco muito grande. Podemos chegar em outubro / novembro e fazer outra Emenda à Constituição. O razoável, o ideal, é que façamos a suspensão das eleições. Com a data pre estabelecida como esta hoje, os prefeitos terão dificuldades de implementar ações no combate à pandemia”, reforçou.

Sobre os próximos passos, o líder municipalista apresentou a necessidade de trabalhar diretamente com os parlamentares. Na oportunidade reforçou ainda que na próxima semana deve ser implementada uma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito, que deve abordar a temática tanto com senadores quanto com deputados.

Para tanto, o prefeito de Jaguariaíva, Juca Sloboda, lembrou da importância de se ter um posicionamento firme e em conjunto com Associações, CNM e prefeitos. “Se fizermos um manifesto assinado por cada prefeito e cobrando os parlamentares, vamos mostrar a eles nosso posicionamento, de quem no tem condição de encerrar mandato neste momento”, disse.

A CNM vai ajudar com informações na elaboração do manifesto, que deverá, segundo o presidente da AMP, Darlan Scalco, ser assinado pelos mais de 600 gestores do Estado do Paraná. lém disso, Darlan reforçou o pedido do presidente da CNM para que todos entrem em contato com os parlamentares o quanto antes.

Por: Lívia Villela
Da Agência CNM de Notícias


Notícias relacionadas