Home / Comunicação / Gestores relatam número inferior de doses recebidas e a desatualização de vacinas aplicadas; CNM pede providência ao MS

Notícias

08/04/2021

Compartilhe esta notícia:

Gestores relatam número inferior de doses recebidas e a desatualização de vacinas aplicadas; CNM pede providência ao MS

Oficio 112Depois de receber relatos de gestores sobre a entrega de frascos de vacinas com o número de doses menor do que o informado e a ausência de atualização no sistema da quantidade de imunizantes aplicados, a Confederação Nacional de Municípios (CNM) entrou em contato com o Ministério da Saúde para pedir celeridade na resolução desses problemas. As solicitações estão nos Ofícios 112 e 113/2021 encaminhados à Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunização (CGPNI).

No primeiro documento, a entidade indica diferença entre os dados das vacinas distribuídas e a atualização do registro de vacinas aplicadas pelos Municípios e destaca que há defasagem entre o real quantitativo de doses aplicadas nos grupos prioritários. Diante disso, a CNM solicitou à CGPNI que a desatualização seja sanada com a maior brevidade. Esse pedido é reforçado em razão de preocupações com a disseminação de fake news em relação às equipes de saúde local e ao próprio Plano Nacional de Vacinação.

Já no Ofício 113/2021, a Confederação reitera que os gestores têm informado o recebimento de número de doses inferior ao indicado nos frascos das vacinas contra a Covid-19. Segundo os relatos, essa situação estaria ocorrendo na distribuição da Coronavac Sinovac/Butantan e da CoviShield Oxford/AstraZeneca. Elas seriam disponibilizadas na forma de apresentação de frascos multidose com 10 doses e respeitando o volume preconizado para cada dose, ou seja, 0,5ml.Ofício 113

A CGPNI disponibilizou formulário para registrar ocorrências de desvio de qualidade dos imunobiológicos distribuídos pelo programa. Por sua vez, a CNM solicitou que - de forma periódica - a CGPNI monitore e torne pública a possibilidade de frascos com número de doses diferentes da definida na bula como forma de evitar análises contraditórias que possam prejudicar as gestões locais quanto à expectativa de doses a aplicar e a real capacidade de vacinação frente à diminuição dos quantitativos disponíveis nos frascos.Gestores e agentes municipais podem acompanhar mais informações sobre o PNI, bem como o cronograma de entrega de doses, no Observatório CNM Covid-19.


Da Agência CNM de Notícias


Notícias relacionadas