Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a política de privacidade e política de cookies.

Home / Comunicação / Ministério da Saúde indica bases para organização da vacinação do grupo de comorbidades

Notícias

28/04/2021

Compartilhe esta notícia:

Ministério da Saúde indica bases para organização da vacinação do grupo de comorbidades

28042021 VacinacaoPara garantir a vacinação das pessoas que possuem comorbidades, próximo grupo prioritário na fila estabelecida pelo Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO), o Ministério da Saúde publicou uma série de orientações. As medidas foram atualizadas nesta terça-feira, 27 de abril.

A primeira delas informa que as pessoas com comorbidades devem estar pré-cadastradas no Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações (SIPNI) ou em alguma unidade de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS). Ou seja, essas pessoas devem possuir prontuário ativo nos seus postos de saúde de referência. Isso vai garantir aos Municípios uma maior precisão no quantitativo do grupo. Caso não tenha inscrição, o interessado pode apresentar, no momento da vacinação, um comprovante que demonstre pertencer a um destes grupos de risco, como exames, receitas, relatório médico ou prescrição médica.

Como ponto de partida da organização da ordem de vacinação, a orientação do Ministério da Saúde é que pessoas com comorbidades sejam convocadas para vacinação de acordo com a sua idade, dos mais velhos para os mais jovens. Assim, serão vacinadas pessoas de 55 a 59 anos, seguidas das de 50 a 54 anos, e assim por diante. A lista de comorbidades está disponível no Plano Nacional de Operacionalização a partir da página 27.

Confira as comorbidades incluídas como prioritárias para vacinação contra a Covid-19:

• Diabetes mellitus: Qualquer indivíduo com diabetes;
• Pneumopatias crônicas graves: Indivíduos com pneumopatias graves incluindo doença pulmonar obstrutiva crônica, fibrose cística, fibroses pulmonares, pneumoconioses, displasia broncopulmonar e asma grave (uso recorrente de corticoides sistêmicos, internação prévia por crise asmática);
• Hipertensão Arterial Resistente (HAR): HAR é quando a pressão arterial (PA) permanece acima das metas recomendadas com o uso de três ou mais anti-hipertensivos de diferentes classes, em doses máximas preconizadas e toleradas, administradas com frequência, dosagem apropriada e comprovada adesão ou PA controlada em uso de quatro ou mais fármacos anti-hipertensivos;
Hipertensão arterial: - estágio 3: PA sistólica ≥180mmHg e/ou diastólica ≥110mmHg independente da presença de lesão em órgão-alvo (LOA) ou comorbidade
- estágios 1 e 2 com lesão em órgão-alvo e/ou comorbidade PA sistólica entre 140 e 179mmHg e/ou diastólica entre 90 e 109mmHg na presença de lesão em órgão-alvo e/ou comorbidade;

Doenças cardiovasculares
• Insuficiência cardíaca (IC): IC com fração de ejeção reduzida, intermediária ou preservada; em estágios B, C ou D, independente de classe funcional da New York Heart Association;
• Cor-pulmonale e Hipertensão pulmonar: Cor-pulmonale crônico, hipertensão pulmonar primária ou secundária;
• Cardiopatia hipertensiva: Cardiopatia hipertensiva (hipertrofia ventricular esquerda ou dilatação, sobrecarga atrial e ventricular, disfunção diastólica e/ou sistólica, lesões em outros órgãos-alvo);
• Síndromes coronarianas: Síndromes coronarianas crônicas (Angina Pectoris estável, cardiopatia isquêmica, pós Infarto Agudo do Miocárdio, outras);
• Valvopatias Lesões valvares com repercussão hemodinâmica ou sintomática ou com comprometimento miocárdico (estenose ou insuficiência aórtica; estenose ou insuficiência mitral; estenose ou insuficiência pulmonar; estenose ou insuficiência tricúspide, e outras);
• Miocardiopatias e Pericardiopatias: Miocardiopatias de quaisquer etiologias ou fenótipos; pericardite crônica; cardiopatia reumática;
• Doenças da Aorta, dos Grandes Vasos e Fístulas arteriovenosas: Aneurismas, dissecções, hematomas da aorta e demais grandes vasos;
• Arritmias cardíacas: Arritmias cardíacas com importância clínica e/ou cardiopatia associada (fibrilação e flutter atriais; e outras);
• Cardiopatias congênita no adulto: Cardiopatias congênitas com repercussão hemodinâmica, crises hipoxêmicas; insuficiência cardíaca; arritmias; comprometimento miocárdico;
• Próteses valvares e Dispositivos cardíacos implantados: Portadores de próteses valvares biológicas ou mecânicas; e dispositivos cardíacos implantados (marca-passos, cardio desfibriladores, ressincronizadores, assistência circulatória de média e longa permanência);
• Doença cerebrovascular: Acidente vascular cerebral isquêmico ou hemorrágico; ataque isquêmico transitório; demência vascular;
• Doença renal crônica Doença renal crônica estágio 3 ou mais (taxa de filtração glomerular < 60 ml/min/1,73 m2) e/ou síndrome nefrótica;
• Imunossuprimidos Indivíduos transplantados de órgão sólido ou de medula óssea; pessoas vivendo com HIV e CD4 <350 células/mm3; doenças reumáticas imunomediadas sistêmicas em atividade e em uso de dose de prednisona ou equivalente > 10 mg/dia ou recebendo pulsoterapia com corticoide e/ou ciclofosfamida; demais indivíduos em uso de imunossupressores ou com imunodeficiências primárias; pacientes oncológicos que realizaram tratamento quimioterápico ou radioterápico nos últimos 6 meses; neoplasias hematológicas;
• Anemia falciforme: Anemia falciforme;
• Obesidade mórbida Índice de massa corpórea (IMC) ≥ 40;
• Síndrome de down Trissomia do cromossomo 21;
• Cirrose hepática Cirrose hepática Child-Pugh A, B ou C.

Até o momento, já foram contemplados com vacinação 14 grupos prioritários: trabalhadores de Saúde; idosos acima de 60 anos institucionalizados; pessoas acima de 18 anos com deficiência institucionalizadas; povos indígenas vivendo em terras indígenas com 18 anos ou mais atendidos pelo Subsistema de Atenção à Saúde Indígena; idosos de 90 anos e mais; idosos de 85 a 89 anos; idosos de 80 a 84 anos; idosos de 75 a 79 anos; povos e Comunidades Tradicionais Ribeirinha; povos e Comunidades Tradicionais Quilombola; idosos de 70 a 74 anos; idosos de 65 a 69 anos; idosos de 60 a 64 anos; e integrantes das Forças de segurança e salvamento e Forças Armadas.

Observatório CNM Covid-19
Para que os gestores municipais possam acompanhar essas e outras questões, a Confederação Nacional de Municípios disponibiliza o Observatório CNM Covid-19. A ferramenta tem por objetivo sistematizar as principais informações relacionadas à aquisição e distribuição das vacinas contra a Covid-19 no Brasil e analisar o cumprimento do cronograma apresentado pelo Ministério da Saúde para garantir a vacinação da população brasileira.

Da Agência CNM de Notícias
Imagem: Ministério da Saúde


Notícias relacionadas