Home / Comunicação / Ministério da Saúde recomenda segunda dose de reforço da vacina Covid-19 para idosos

Notícias

24/03/2022

Compartilhe esta notícia:

Ministério da Saúde recomenda segunda dose de reforço da vacina Covid-19 para idosos

24032022 vacinacao EBCA população com 80 anos ou mais deve receber a segunda dose de reforço da vacina Covid-19, recomenda nota do Ministério da Saúde. Segundo dados da Confederação Nacional de Municípios (CNM) do último estudo sobre o tema, 41 prefeituras já estão aplicando a 4ª dose para evitar novos casos graves. Agora, os gestores locais podem promover campanhas para imunizar novamente cerca de 4,6 milhões de brasileiros.

Segundo a Nota Técnica (NT) 20/2022, publicada nesta quarta-feira, 23 de março, a segunda dose de reforço deve ser aplicada, preferencialmente, com o imunizante da Pfizer e de maneira alternativa com as vacinas da Janssen e Astrazeneca, independentemente da dose utilizada anteriormente. Deve ser observado o intervalo de quatro meses após a primeira dose de reforço.

A recomendação foi amplamente discutida pelos especialistas da Câmara Técnica Assessora em Imunizações (CTAI). Foi considerada a situação epidemiológica do Brasil; a redução da efetividade das vacinas Covid-19, principalmente entre as faixas etárias mais avançadas; e dados clínicos que apontam a eficácia e segurança da aplicação da segunda dose de reforço da vacina em indivíduos imunocomprometidos, com elevação significativa dos títulos de anticorpos.

Os estudos considerados apontam para a diminuição da efetividade das vacinas em idosos, a partir de 3 a 4 meses depois da aplicação, também pode ser explicada pelo envelhecimento natural do sistema imunológico, o que exige uma estratégia diferenciada para a proteção desse grupo. Para evitar as complicações pela Covid-19, a NT orienta para que idosos que tomaram o primeiro reforço há mais de quatro meses procurem os postos de vacinação.

Segundo o MS, a necessidade da aplicação da segunda dose de reforço para as demais faixas etárias estão em análise e as recomendações podem ser revistas a qualquer momento.

Foto: EBC
Da Agência CNM de Notícias, com informações do Ministério da Saúde



Notícias relacionadas