Home / Comunicação / Ministro de Infraestrutura e CNM alinham ações para manter abastecimento no país

Notícias

26/03/2020

Compartilhe esta notícia:

Ministro de Infraestrutura e CNM alinham ações para manter abastecimento no país

26032020 Reuniao MInfra“A tarefa é enorme nesse momento de crise difícil que o Brasil passa, que é manter a logística funcionando”. Com essa fala, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, iniciou a videoconferência com o presidente da Confederação Nacional de Municípios (CNM), Glademir Aroldi, e representantes das entidades estaduais de Municípios.

A reunião, que aconteceu nesta quinta-feira, 26 de março, teve como objetivo principal, unir esforços entre governo federal e Municípios, além de alinhar estratégias para garantir o abastecimento em todo o país. “Temos que manter a logística funcionando, temos que manter os mercados funcionando. A carga tem que chegar ao mercado. Para que isso aconteça, o caminhoneiro tem que ter uma estrutura de transporte porque o caminhão vai continuar quebrando. Nós vamos ter pneu furado e vai ter que ser consertado. Nós vamos precisar da oficina, do restaurante para que o caminhoneiro faça sua refeição”, complementou o ministro.

O presidente da CNM, Glademir Aroldi, ressaltou que a entidade está à disposição do ministério para manter o abastecimento e a malha rodoviária e ferroviária funcionando minimamente e dentro da necessidade. “Uns conseguem trabalhar melhor em situações como essas, outros têm mais dificuldade e acabam tomando algumas medidas que não deveriam ter tomado. Acredito que agora, com esse documento com propostas e ações que vamos transmitir, a gente possa trabalhar junto nas orientações aos Municípios”, ressaltou.

Logística de saúde
26032020 Reuniao MInfra02Na oportunidade, o ministro da Infraestrutura ressaltou que o governo federal, através do Ministério da Saúde, começou a adquirir kits de teste rápido e que devem chegar, em breve, ao país. A pasta ficou responsável pela organização da logística na distribuição por todo o Brasil. Além dos testes rápidos, serão disponibilizados equipamentos de produção individual, respiradores e outros materiais necessários na atuação da gestão local e Estadual durante a pandemia.

“Nós vamos precisar contar com todos os meios: distribuição por ferrovia, rodovia, aeroportos. Às vezes a carga vai chegar no porão do aeroporto. Hoje não tem demanda nas operações de avião e a malha só não parou porque estamos distribuindo entre as companhias aéreas, mantendo um ou dois voos para as capitais. A carga chegando na capital e nós vamos precisar da logística rodoviária”, disse.

Para tanto, de acordo com Tarcísio Gomes de Freitas, é necessário que as estradas estejam desbloqueadas e que os caminhoneiros estejam em segurança para trabalhar. “A rigidez das medidas tem que ser proporcional ao risco. O Brasil é muito grande e a epidemia vai ter momentos diferentes nas várias partes do Brasil e nós vamos ter que ter inteligência para trabalhar com isso. No tempo de escassez e epidemia, teremos que ter inteligência na logística e distribuição de recursos”, complementou.

Entidades Estaduais
26032020 ReuniaoMInfra03Representantes de entidades estaduais também participaram da reunião virtual. Na oportunidade, relataram ao ministro algumas situações vividas nas localidades. Primeiro a falar, o presidente da Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs) e prefeito de Palmeira das Missões, Eduardo Russomano Freire, ressaltou que as orientações serão repassadas aos gestores do Estado.

“Estamos orientando no Estado do Rio Grande do Sul que façam dessa forma, que mantenham as condições para o abastecimento que não proíbam funcionamento de postos, restaurantes nas rodovias, borracharias, e que tratam de maneira respeitosa os profissionais que trabalham na linha e que serão essenciais no combate dessa pandemia”, disse Eduardo.

A mesma medida de orientação vai ser repassada aos gestores do estado de Minas Gerais, como garante o presidente da Associação Mineira de Municípios (AMM) e prefeito de Moema, Julvan Lacerda. “As nossas orientações tem tido boa aceitação dos prefeitos. Estamos fazendo de tudo para fazer em consonância com o governo do Estados. O que tenho percebido é que a maioria está errando por falta de orientação, de um comando geral. Estamos prontos para fazer o que for preciso e seguir o comando geral junto com governadores e governo federal para chegar lá na frente com menos impacto possível”, reforçou.

A padronização de processos também foi ressaltada pelo presidente da Federação Goiana de Municípios (FGM) e prefeito de Campos Verdes, Haroldo Naves. “As iniciativas facilitam o nosso entendimento. O Brasil precisa ter padronização nos procedimentos e nós queremos ser parceiros. Vamos levar os pedidos a todos os Municípios e com certeza os prefeitos vão nos atender”, finalizou.

O ministro ressaltou que a situação é nova para todos e que há um aprendizado diário. “Demoramos um pouco para perceber e entender, a ter orientações mais precisas. Agora, certamente, ações mais efetivas vão trazer mais segurança aos Entes. A iniciativa da CNM de elaborar documento de orientação, aliada a algumas iniciativas dos ministérios da Saúde e de Infraestrutura vão ajudar nesse orientação e vamos conseguir passar por isso da melhor forma possível. Vocês são fundamentais nesse processo de acertos para diminuir os transtornos nesse momento difícil”, complementou o ministro.

Leia Mais
Mapa e Infraestrutura se reúnem com a CNM para pedir apoio no abastecimento de alimentos no Brasil

Conquista: governo atende pleito da CNM de recompor FPM em pacote de R$ 88,2 bilhões

Por: Lívia Villela
Fotos: Ricardo Botelho/MInfra
Da Agência CNM de Notícias


Notícias relacionadas