Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a política de privacidade e política de cookies.

Home / Comunicação / Municípios Doadores: projeto da CNM alerta para importância da doação de sangue durante a pandemia

Notícias

19/10/2021

Compartilhe esta notícia:

Municípios Doadores: projeto da CNM alerta para importância da doação de sangue durante a pandemia

09122019 doacao de sangue Prefeitura de ParauapebasA baixa disponibilidade de estoques de hemocomponentes (produtos gerados um a um nos serviços de hemoterapia, a partir do sangue total, por meio de processos físicos) é um problema real, que se intensificou durante uma pandemia da Covid-19. No entanto, a segurança dos doadores e dos receptores deve ser priorizada. A Confederação Nacional de Municípios (CNM), mesmo antes da pandemia, já demonstrava preocupação com essa questão, sabendo das dimensões sociais e de saúde que os atos de doar sangue representam.

Por isso, o Projeto Municípios Doadores ressalta as iniciativas adotadas pelos hemocentros de todo país na tentativa de minimizar os problemas causados pelo desabastecimento de sangue durante a pandemia, medidas para garantir maior segurança aos doadores de sangue têm sido seguidas rigorosamente, sendo assim:

  • a distância entre os indivíduos foi aumentada, tanto nas salas de espera como durante as doações;
  • preconiza-se a higienização de áreas, instrumentos e superfícies após cada doação;
  • em alguns centros, tornou-se necessário o agendamento da doação, a fim de limitar o número de pessoas no local; e
  • todos os profissionais envolvidos devem seguir as medidas de segurança recomendadas, como uso de máscaras, lavagens frequentes das mãos e uso de antissépticos.

Em março de 2020, no início da pandemia, o Ministério da Saúde publicou, através da Nota Técnica 13/2020, novos critérios de inaptidão temporária para doação de sangue, dentre os quais se destacam:

  • candidatos à doação que foram infectados pelo coronavírus deverão ser considerados inaptos por um período de 30 dias após a completa recuperação (assintomáticos e sem sequelas);
  • candidatos à doação que tiveram contato, nos últimos 30 dias, com pessoas que apresentaram diagnóstico clínico e/ou laboratorial de Covid-19 deverão ser considerados inaptos pelo período de 14 dias após o último contato com essas pessoas; e
  • candidatos à doação que permaneceram em isolamento voluntário ou indicado por equipe médica devido a sintomas de possível infecção deverão ser considerados inaptos pelo período que durar o isolamento, se estiverem assintomáticos.

Em relação à doação de sangue por indivíduos submetidos à vacinação contra a Covid-19, a Nota Técnica 12/2021 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) instituiu os períodos de inaptidão de acordo com o mecanismo de ação de cada vacina:

  • candidatos à doação que receberam vacinas de vírus inativado ou fragmento proteico sintético permanecem inaptos por período de 48 horas após a aplicação – exemplos: CoronaVac (China), Covaxin (Índia);
  • candidatos à doação que receberam vacinas que utilizam vetores virais recombinantes não-replicantes permanecem inaptos por período de sete dias após a aplicação – exemplos: Oxford (Reino Unido), Sputnik V (Rússia);
  • candidatos à doação que receberam vacinas que utilizam RNA mensageiro ou DNA permanecem inaptos por período de sete dias após a aplicação – exemplos: Moderna (Estados Unidos), Pfizer (Estados Unidos/ Alemanha);e
  • candidatos à doação de sangue que não informarem de maneira segura sobre o tipo de vacina que receberam e, portanto, não sendo possível a identificação da tecnologia utilizada, permanecem inaptos por período de sete dias após a aplicação.


No caso de vacinas cujo protocolo prevê a utilização de mais de uma dose, os intervalos de inaptidão previstos estarão relacionados com cada aplicação.

Saiba mais sobre o Projeto Municípios Doadores aqui.

Da Agência CNM de Notícias 


Notícias relacionadas