Home / Comunicação / Portal da Chapada Diamantina, Lençóis (BA) encerra a série Meu Município, meu patrimônio

Notícias

16/08/2019

Compartilhe esta notícia:

Portal da Chapada Diamantina, Lençóis (BA) encerra a série Meu Município, meu patrimônio

Prefeitura de Lençóis/BAA véspera do Dia Nacional do Patrimônio Histórico, celebrado neste sábado, 17 de agosto, a Confederação Nacional de Municípios (CNM) encerra a série Meu Município, meu patrimônio com a histórica cidade de Lençóis, da Bahia. Portal de entrada para a Chapada Diamantina, o Município teve o conjunto arquitetônico e paisagístico tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em 1973.

Até hoje, Lençóis – que abriga 570 imóveis na área protegida – conserva grande parte das características originais. A Praça Horácio de Matos, que movimenta a noite da cidade, é considerada o espaço público mais importante. De acordo com o Iphan, entre 1845 e 1871, o Município foi o maior produtor mundial de diamantes e a terceira principal cidade da Bahia. A época, funcionava como entreposto comercial de exportação para a Europa e de importação de artigos de luxo.

Quase dois séculos depois, a joia rara do Município baiano é outra. O que atrai milhares de turistas mensalmente ao local é a beleza única da Chapada Diamantina, uma região de serras que tem três biomas brasileiros, Mata Atlântica, Cerrado e Caatinga, em 152 mil hectares. O Parque, que possui 38 trilhas de entrada, soma 33 cachoeiras, 16 sítios arqueológicos, duas cavernas e quase 300 quilômetros de trilhas. Além de caminhadas e banhos de rio, para os mais aventureiros há opções de canoagem, escalada e montain bike.

Consórcios
Com maior infraestrutura, Lençóis é ponto de abrigo para os visitantes na região. “Temos 106 hotéis e um em construção, 210 casas de aluguel, 280 guias turísticos e 300 comércios”, lista o prefeito Marcos Airton de Araújo. Apesar dos benefícios, ele lembra que há também os desafios. “Recebemos repasses para uma cidade de 12 mil habitantes, mas administramos a cidade com uma população, muitas vezes, superior a 30 mil”, pontua.

Oferecer serviços a todos – como saneamento e saúde –, portanto, possui especificidades em Municípios turísticos. Para se ajudarem e buscarem melhorias, os prefeitos trabalham em conjunto por meio do Consórcio Intermunicipal do Circuito do Diamante da Chapada Diamantina – Consórcio Chapada Forte. “A gente defende a chapada em bloco”, enfatiza o gestor. O grupo é formado por 15 Municípios baianos.Gleidson Santos - MTUR

A CNM disponibiliza o Observatório Municipalista de Consórcios Públicos. A plataforma on-line tem o objetivo de cadastrar e apresentar informações a respeito dos consórcios públicos existentes no Brasil e reúne produções técnicas, acadêmicas, posicionamentos jurisprudenciais, legislação e projetos de lei sobre o tema.

Também em busca de melhorar os serviços, a prefeitura de Lençóis desenvolve o projeto Turismo em Debate. Com a ajuda de um consultor, os visitantes são entrevistados. O foco é saber de onde são, porque visitam o Município e o que estão curtindo na cidade. “Queremos identificar os pontos fortes e fracos, para poder melhorar cada vez mais, especialmente no atendimento”, explica o prefeito. Além disso, toda a rede do setor, como agentes de viagem e proprietários de restaurantes e pousadas, é convidada a discutir o tema.

Além de ter o conjunto urbano tombado, Lençóis também tem a Festa do Nosso Senhor Bom Jesus dos Passos registrada pelo Iphan e reconhecida como Patrimônio Cultural do Brasil. A manifestação, que ocorre anualmente de 23 de janeiro a 3 de fevereiro, é iniciada com a lavagem das escadarias da Igreja de Nosso Senhor dos Passos. Em 2 de fevereiro, acontece a procissão com a imagem do santo dos garimpeiros pelo centro histórico. A celebração se encerra com a benção aos garimpeiros no dia seguinte.

Cidades históricas turísticas

Na CNM, há a Rede Cidades Históricas Turísticas e Patrimônio Mundial. O projeto agrupa 71 Municípios com sítios do patrimônio natural e cultural reconhecidos pela Unesco e 301 Municípios com bens tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). “O patrimônio cultural de um Município é um diferencial de competitividade. Isso é o que trabalhamos com a nossa rede”, conta a turismóloga da área técnica de Turismo da CNM, Marta Feitosa.

Por compreender a importância do turismo cultural para o desenvolvimento econômico dos Municípios detentores desses sítios e bens, a Confederação incentiva fortemente melhorias voltadas às cidades históricas e ao patrimônio mundial. “O patrimônio cultural e natural brasileiro é de fundamental importância para o desenvolvimento e fortalecimento da identidade das localidades que detém esses sítios. É a base do desenvolvimento de produtos turísticos competitivos. Os atrativos natural e cultural são capazes de aumentar a permanência do turista nos destinos visitados”, explica Marta.

Recentemente, em abril, foi publicado o decreto da Política Nacional de Gestão Turística do Patrimônio Mundial Natural e Cultural. A medida foi construída com o apoio de diferentes frentes, entre elas a área técnica de Turismo da Confederação Nacional de Municípios (CNM). O VI Encontro das Cidades Históricas Turísticas e Patrimônio Mundial, organizado pela CNM, está previsto para ocorrer de 23 a 25 de outubro em Porto Alegre (RS). O último foi realizado em Manaus (AM).

Tombamento e registro
Para saber mais sobre o assunto, acesse as publicações da CNM: Preservação do Patrimônio Cultural: o Tombamento e o Registro de Bens Culturais e Patrimônio Cultural: o Tombamento e o Registro de bens culturais nos Estados. Além disso, assista à Roda de Conhecimento que esclarece o conteúdo dessas publicações que esclarece o conteúdo dessas publicações da área técnica de Cultura da Confederação.

Meu Município, meu patrimônio
Para mostrar a importante tarefa de preservar a história e a cultura nacional – e incentivar que todos as conheçam –, a Confederação mostrou, nesta semana, conjuntos urbanos tombados na série Meu Município, meu patrimônio. Tiradentes (MG), Pirenópolis (GO), Porto Nacional (TO), Laguna (SC) e, hoje, Lençóis (BA) representaram as cinco regiões do país e um pouco da imensa diversidade nacional, tanto de estilos arquitetônicos quanto de bens culturais imateriais.

Leia também
Meu Município, meu patrimônio: Porto Nacional (TO) aposta em potencial turístico para aquecer a economia

Município de Pirenópolis (GO) abriga patrimônios culturais materiais e imaterial do Brasil

Meu Município, meu patrimônio: mais de 80 cidades têm o conjunto urbano protegido

Tecnologia conta histórias e apresenta patrimônio cultural de Laguna (SC) aos turistas e à população local

Por Amanda Martimon
Da Agência CNM de Notícias
Fotos: Prefeitura de Lençóis/BA e Gleidson Santos/MTur


Notícias relacionadas