Home / Comunicação / Representante da CNM defende mudanças na Lei de Improbidade Administrativa em audiência pública

Notícias

18/09/2019

Compartilhe esta notícia:

Representante da CNM defende mudanças na Lei de Improbidade Administrativa em audiência pública

Luis Macedo Ag CamaraTramita no Congresso Nacional proposta para atualizar a Lei de Improbidade Administrativa (LIA), Lei 8.429/1992. Para discutir os pontos principais a serem contemplados na nova legislação, a comissão especial que analisa o Projeto de Lei (PL) 10.887/18 na Câmara dos Deputados, realizou audiência pública nesta quarta-feira, 18 de setembro.

Entre os convidados, estava a Confederação Nacional de Municípios (CNM), representada pelo consultor Martin Haeberlin. Em sua fala, ele defendeu a revisão da Lei, que está prestes a completar 30 anos, elogiou o texto base do PL e sugeriu aprimoramentos do ponto de vista da gestão municipal.

Ao dividir sua apresentação em três partes, começou contextualizando o tema de forma essencialmente jurídica. “Os princípios passaram a ser protagonistas do ordenamento jurídico na nova hermenêutica. No direito administrativo, temos princípio da moralidade e ela obriga por si só. Não precisa de uma regra para obrigar”, lembrou.

O conceito seria importante porque, segundo ele, a sociedade tornou-se “mais legalista que a lei e mais controladores que o controlador”. Sendo assim, valores abstratos passaram a obrigar. “Há necessidade de controle, mas temperado com segurança jurídica. Deveria ser recomendação natural a todo julgador. A Reforma vem nessa linha, inclusive para coibir alguns excessos que não passariam pelo exame da proporcionalidade”, avaliou.

Pontos positivos e contribuições
Ao avançar na explicação, Martin Haeberlin destacou pontos positivos da proposta. “A maior inovação desse projeto é a subtração da culpa. Não se pode pensar em improbidade administrativa por culpa, isso é um contrassenso. Fere por definição a ideia de uma improbidade administrativa, que tem relação com desonestidade”. O mesmo entendimento foi apresentado pelo corregedor-geral da União Gilberto Waller Junior antes, na reunião.

CamaraConforme o representante da CNM exemplificou, ninguém é desonesto por negligência. “Desonestidade não combina com culpa, que, para o Direito, é negligência e imprudência”. Após reconhecer a importância da LIA e de exemplos extremos de lesão ao patrimônio público, peculato e até roubo, ele defendeu o princípio da reserva legal e fez uma ressalva de que nem todo crime deve ser enquadrado como improbidade administrativa.

Com o argumento de que a reforma da Lei atende à necessidade de segurança jurídica, ele contestou a ideia de que o PL traz impunidade. “O projeto coloca cada coisa em sua respectiva caixa, lembrando que a caixa da improbidade é muito severa, especialmente pelas suas punições”. Em seguida, falou das ações de ressarcimento; dos casos de nepotismo – que poderiam ser inseridos na nova Lei; dos bens de família, sobre os quais devem ser considerados se foram adquiridos antes ou depois do cargo público; da indisponibilidade de bens – alguns se arrastam por até 10 anos; e da solidariedade, que, no Direito, não se presume.

Para terminar, sugeriu aos parlamentares presentes duas modificações que se fazem necessárias. “Que o dolo seja específico. Ato de improbidade me parece algo extremamente abstrato. Interesse público serve para muitas coisas, menos para condenar. E rol exaustivo e taxativo, que me parecem importantes. Preciso alinhar improbidade com ilegalidade”, resumiu. Sobre a defesa prévia, possibilidade que o projeto em análise na Câmara tira, ele argumentou que carece de melhor análise pelo fato de o Supremo Tribunal Federal e o Superior Tribunal de Justiça terem reconhecido a validade de diversos casos.

Também participaram do debate, mediado pelo deputado Tadeu Alencar (PSB-PE), o ministro Herman Benjamin, do Superior Tribunal de Justiça; Gilberto Waller Junior, da Controladoria-Geral da União; e Renee do Ó Souza, Promotor de Justiça e Professor do UniCeub. A proposta aguarda parecer do relator deputado Carlos Zarattini (PT-SP).

Por Amanda Maia

Foto: Luis Macedo/Ag. Câmara

Da Agência CNM de Notícias

Leia também
Comissão que vai analisar revisão da Lei de Improbidade será instalada na próxima semana

Mudanças na Lei de Improbidade, em tramitação no Congresso, foram debatidas em evento

Ministros do STF e do STJ detalham equívocos de interpretação da Lei de Improbidade em encerramento de congresso na CNM


Notícias relacionadas