Home / Comunicação / Revitalização urbana transforma áreas abandonadas com arte, história e hortas comunitárias

Notícias

05/08/2019

Compartilhe esta notícia:

Revitalização urbana transforma áreas abandonadas com arte, história e hortas comunitárias

GilbertoFirmino Prefeitura Joao PessoaMudanças na economia, no perfil demográfico e no desenvolvimento territorial do próprio Município impactam na organização dos centros urbanos. Uma área que antes funcionava para determinado fim, seja habitacional, comercial ou industrial, pode ficar abandonada, subutilizada, degradada ou mesmo insegura. Da mesma forma, espaços vazios ganham novos arranjos e funções. Com planejamento, a gestão municipal consegue envolver e beneficiar a comunidade e os empreendores locais.

Por meio da revitalização urbana, cidades do Brasil, Argentina, Chile, Colômbia e Peru têm realizado transformações positivas. Em levantamento inédito, o Programa Internacional de Cooperação Urbana - América Latina e Caribe (IUC-LAC) compilou 165 boas práticas de desenvolvimento sustentável e Regeneração Urbana é uma das 11 áreas temáticas nas quais as ações se enquadram.

Cultura e moradia
São três os casos brasileiros citados: Villa Sanhauá, em João Pessoa (PB); Porto Maravilha, no Rio de Janeiro (RJ); e o Programa Hortas Comunitárias, de Maringá (PR). Os dois primeiros se assemelham por serem áreas históricas, ligadas ao surgimento das cidades, mas que ficaram esquecidas. Já no Paraná, a iniciativa não se restringe a um só local. O objetivo é instalar os canteiros em diferentes pontos do Município.

Na capital da Paraíba, a estrutura original foi mantida e restaurada pela prefeitura com R$ 4 milhões. São 17 unidades habitacionais, sendo uma adaptada para Portadores de Necessidades Especiais (PNE); seis comerciais e uma reservada para uso institucional. A estrutura foi desapropriada e integrada ao Município que, por meio de um edital, concedeu cessão de uso às habitações e permissão aos comerciantes que desenvolvam atividades culturais, artesanais ou que promovam a valorização dos elementos típicos do Nordeste.

prefeitura MaringaEm Maringá, o público-alvo é a população de baixa renda, pessoas com restrições médicas e idosos. Os interessados, que são cadastrados no CRAS, passam por uma etapa de identificação e levantamento e, ao serem contemplados, são capacitados por agrônomos sobre boas práticas de manuseio, plantio e cultivo das hortas.

“Os governos perceberam que a regeneração urbana é menos um exercício técnico e mais social e econômico que envolve a criação de consenso entre muitos atores urbanos (públicos e privados). A participação desses atores, e em particular dos mais fracos economicamente, é relevante para reduzir as ameaças de experiências negativas de gentrificação”, afirma Florian Steinberg, especialista em Desenvolvimento Urbano do IUC-LAC. Para ter mais resultado, o Chile, por exemplo, desenvolveu três programas de cobertura nacional relativos à reabilitação.

No entendimento da técnica de Cultura da Confederação Nacional de Municípios (CNM), Ana Clarissa Fernandes, como muitos Municípios têm dificuldades financeiras para construirem novos equipamentos culturais, recomenda-se aos gestores e conselheiros municipais de cultura a realização de um mapeamento prévio. Desta forma, é possível averiguar quais são os prédios públicos do Município com potencial para serem total ou parcialmente transformados em equipamentos culturais locais. “De forma complementar, são importantes as políticas públicas que promovam o fortalecimento do sentimento de pertencimento da população junto aos equipamentos culturais, consolidando-os como efetivos espaços públicos”, alerta.

Confira as ações:
Argentina
Buenos Aires - Reurbanização Integral do Bairro Villa 31 
San Isidro - Renovação do Centro Comercial a Céu Aberto
Santa Fé - Melhoramento do bairro Cabín 9

Brasil
João Pessoa, PB - Villa Sanhauá
Maringá, PR - Programa Hortas Comunitárias de Maringá 
Rio de Janeiro, RJ - Porto Maravilha

Chile
Cobertura Nacional - Fundação Mi Parque
Cobertura Nacional - Manual de Elementos Urbanos Sustentáveis  
Cobertura Nacional - Programa de Recuperação de Bairros "Amo Meu Bairro"

Colômbia
Bogotá - Plano parcial de renovação urbana-La Sabana 
Montería - Parque Linear la Ronda del Sinú
Pereira - Plano parcial Cidade Victoria

Peru
Arequipa - Restauração de um Tambo
Lima - Mobilização de habitantes para proteger e revitalizar
Lima - Ocupa tu calle: Recuperação do Plazoleta de la Integración

Por Amanda Maia

Fotos: Prefeituras de João Pessoa e Maringá/Divulgação

Da Agência CNM de Notícias

Leia também
Para promover indústrias, construções e transportes verdes, gestão municipal conta com iniciativa privada

Municípios geram economia e energia limpa com lâmpadas de LED e luz solar

Cidades inteligentes: das metrópoles aos pequenos Municípios

Projetos brasileiros de gestão ambiental protegem bacias hidrográficas e o solo

Desenvolvimento sustentável: conheça 165 boas práticas do Brasil, Argentina, Peru, Colômbia e Chile


Notícias relacionadas