Home / Comunicação / Setor de habitação tem novo pacote de R$ 43 bilhões

Notícias

13/04/2020

Compartilhe esta notícia:

Setor de habitação tem novo pacote de R$ 43 bilhões

24032020 construcao civil Tania Rego Ag. BrasilCom o objetivo de conter os impactos no setor da construção civil causados pelo novo coronavírus (Covid-19) e que tem gerado preocupações nos Municípios, a Caixa Econômica Federal (CEF) anunciou um novo pacote de R$ 43 bilhões para o setor de habitação. O anúncio, feito no último dia 9 de março, será para financiar a construção de novas moradias quanto para contratos em andamento relacionadas aos Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), incluído o Programa Minha Casa, Minha Vida (PMCMV) operacionalizados com FGTS e financiamentos com recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE).

A medida anunciada pela Caixa, que se soma aos R$ 111 bilhões anunciados nas semanas anteriores, viabiliza a execução dos contratos no setor de habitação e a conclusão das obras. Também, junto com o novo pacote de investimentos, a Caixa adotou novas medidas que começam a ter validade a partir desta segunda-feira, 13 de março, sobre os contratos de pessoas físicas e jurídicas para novos financiamentos e flexibilização de prazos e pagamentos contratuais.

A área técnica de Planejamento Territorial e Habitação da Confederação Nacional de Municípios (CNM) lista as principais iniciativas:

  • no caso de pessoas físicas a prorrogação do prazo de cumprimento das cláusulas suspensivas por até 90 dias;
  • caso os clientes não queiram deixar a prestação pausada, é possível solicitar o pagamento parcial da prestação;
  • já para os financiamentos no âmbito construção individual, a Caixa permite a liberação antecipada de até duas parcelas, sem vistoria;
  • Também, foram permitidos para os clientes, que estejam com atraso de 61 e 180 dias, renegociação no pagamento das parcelas por prazo determinado.

Já as empresas com obras em andamento poderão negociar a possibilidade de antecipação de três meses no cronograma de obra executada. Essa medida permite equilibrar o fluxo de caixa e manter os empregos. Além disso, as obras de habitação poderão ser reescalonadas, ou seja, o cronograma poderá ser reformulado, no caso de contingência em virtude da pandemia. Para novos empreendimento haverá 180 dias de carência e antecipação de 20% do financiamento no início da obra para dar um fôlego à construtora para iniciar as obras.

O anúncio traz tranquilidade para o setor da construção civil e também para os gestores municipais para a conclusão das obras, a manutenção dos empregos e aquecimento da economia brasileira. A entidade ressalta que a construção de moradias aquece diversos setores do Município, por isso, as medidas tanto para as pessoas físicas quanto para as jurídicas são fundamentais para assegurar o ritmo do andamento das obras. A CNM ressalta que está elaborando uma ficha técnica com orientações sobre as novas medidas no setor de habitação para orientar os gestores.

Da Agência CNM de Notícias com informações Estadão


Notícias relacionadas