Home / Comunicação / Vice-prefeita de Cocos (BA) visita sede da CNM e busca se aproximar do MMM

Notícias

17/02/2022

Compartilhe esta notícia:

Vice-prefeita de Cocos (BA) visita sede da CNM e busca se aproximar do MMM

WhatsApp Image 2022 02 17 at 15.10.39 1A vice-prefeita do Município de Cocos, no Estado da Bahia, Ivana Gouveia, visitou a sede da Confederação Nacional de Municípios (CNM) nesta quinta-feira, 17 de fevereiro, para se atualizar sobre as ações do Movimento Mulheres Municipalistas (MMM).

Ivana está em seu segundo mandato como vice-prefeita. Antes de ocupar o cargo foi vereadora por dois mandatos consecutivos. Sua trajetória na política é comum entre mulheres nesse espaço de poder. Segundo levantamento do Instituto Alziras em parceria com a CNM, as prefeitas costumam atuar com a comunidade antes de entrar na política, e por essa construção ser orgânica, elas acabam ocupando vários cargos antes de chegar na política.

A vice-prefeita conta que a sua entrada na política se deu muito por seu trabalho com o público. “Eu sou técnica de enfermagem e comecei trabalhando no Programa Saúde da Família, depois fui para o hospital e então saí candidata a vereadora e fui eleita.” Hoje a vice-prefeita é também gestora do hospital municipal, e para se preparar melhor para o cargo que ocupa, é formada também em gestão de saúde e está estudando enfermagem. O estudo do Instituto Alziras também chama atenção para que as mulheres eleitas tendem a ter níveis educacionais superiores aos homens no Brasil.

Mulheres nas eleições municipais de 2020
As mudanças na legislação eleitoral que entraram em vigor nas eleições municipais de 2020 com o objetivo de possibilitar um aumento no número de mulheres eleitas, provocaram os recordes percentuais. Hoje o país possui 12,01% de prefeitas, 16,05% de vereadoras e o mais alto percentual de 16,52% de vice-prefeitas.

Ivana chama atenção para o fato de ser a única mulher eleita hoje em seu Município. “Fico triste porque em 2020 nenhuma mulher conseguiu se eleger vereadora. Em 2016 tínhamos apenas uma e antes, quando eu também era vereadora, éramos mais.” Seu relato chama atenção para que as mudanças eleitorais que estimulam o número de candidatas não sejam suficientes para garantir suas eleições e consequentemente aumentar a diversidade na política.

O Movimento Mulheres Municipalistas (MMM) alerta para a necessidade de, além de estimular o cumprimento e também a fiscalização da lei que estabelece o numero mínimo de 30% de candidaturas de cada sexo, é fundamental que os partidos empenhem esforços para garantir que essas candidaturas também sejam competitivas e esses esforços resultem no aumento de eleitas.

Da Agência CNM de Notícias


Notícias relacionadas