Home / Comunicação / Água e o Mundo: espaço traz boas práticas de Municípios

Notícias

22/03/2018

Compartilhe esta notícia:

Água e o Mundo: espaço traz boas práticas de Municípios

Ag CNMAs boas práticas relacionadas à água foram apresentadas nesta quinta-feira, 22 de março, durante o Espaço Municipalista: a Água e o Mundo. A primeira boa prática apresentada foi implementada com o objetivo de amenizar as dificuldades dos moradores e moradoras da área rural devido à falta de água no Município de Dom Feliciano (RS). Para tanto, a prefeitura do Município, em parceria com a Emater, desenvolveu o programa Fonte Protegida. Este visa proteger a fonte de água e atender as famílias que consomem água de qualidade, com o mínimo impacto possível.

O prefeito de Dom Feliciano, Clênio Boeira, cita que a maior dificuldade está relacionada à questão de financiamento, visto que a alternativa não é reconhecida como efetiva na solução para o abastecimento. “A Prefeitura tem feito isso com recursos próprios do Município para famílias que são atendidas por programas sociais. As demais famílias entram com o material e nós damos a mão de obra. Além disso, nós orientamos como utilizar e preservar a nascente”, completa.

O trabalho não acaba somente na captação, no consumo e na devolução do excesso de água para a natureza. “Há um controle rigoroso da qualidade da água. A nossa técnica faz coleta nas residências, que são examinadas pelo laboratório para que se tenha um controle da qualidade da água que é consumida”, cita o prefeito.

Águas de Mantiqueira

A prefeitura de Santo Antônio do Pinhal (SP), em parceria com a Fundação Toyota do Brasil e com a Fundação de Desenvolvimento de Pesquisa do Agronegócio, além da comunidade local, implementaram o Projeto Águas da Mantiqueira.

O coordenador do Projeto, José Roberto Manna de Deus, ressalta a importância da participação de todos. “A gente junta o conhecimento de todos para poder fazer um grande diagnóstico do Município e desenvolver uma forma de convívio com as áreas naturais e olhar para elas como a verdadeira solução”, completa.

Em um período de 14 meses, 30 pesquisadores realizarão diagnósticos dos remanescentes de Mata Atlântica, distribuídos em 10 bacias hidrográficas de Santo Antônio do Pinhal (SP), essenciais à manutenção de serviços ambientais – especialmente dos recursos hídricos - e sua direta influência na sustentabilidade das áreas rurais e urbanas por meio de estudos em biodiversidade, agricultura, educação, resíduos sólidos, turismo, dentre outros.

Para buscar o apoio de financiamento internacional, o coordenador ressalta a importância de se ter um projeto consolidado e o olhar além do Município. “Apresentando um projeto que verdadeiramente atenda não só as demandas específicas da comunidade, mas também do seu financiador. Ele precisa receber algo em troca. Está muito além da mera divulgação. Nesse caso é a manutenção do sistema econômico. Os caminhos todos existem. Mas bons projetos são aqueles que atendam a todos. Atendendo a todos, os recursos vão vir”, disse.

Projetos Águas de Vinhedo

A última palestra da manhã foi do superintendente da Sanebavi de Vinhedo (SP), Ricardo Facchini Rodrigues. Durante explanação, o superintendente apresentou o Projeto Águas de Vinhedo. Este foi realizado nas escolas municipais com o objetivo de sensibilizar os estudantes para a importância da preservação do meio ambiente.

“Os alunos da rede municipal de ensino visitam as nascentes, os rios, as represas próximos da escola e ele mesmo capta uma amostra da água não tratada, sob supervisão. Depois, visitam as estações de tratamento para conhecer todo o processo. Desde a captação de água do rio, o processo de tratamento físico, químico e biológico da água, e o processo de bombeamento e destinação para as residências”, completa.

O Município possui Estações de Tratamento de Lodo que trouxeram diversos benefícios para a localidade. Entre esses estão a economia de água captada nos mananciais superficiais, a economia energética em decorrência da redução das horas de captação e a economia na manutenção das bombas. “É desenvolver da forma correta e sustentável, preservando os recursos hídricos que são finitos”, fnaliza.


Notícias relacionadas