Home / Comunicação / Demora no diagnóstico de câncer é a causa de 70% das mastectomias

Notícias

08/05/2018

Compartilhe esta notícia:

Demora no diagnóstico de câncer é a causa de 70% das mastectomias

DivulgaçãoO procedimento de remoção total da mama é chamado de mastectomia, e é adotado em pacientes com câncer de mama. Um alerta da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) mostra que a identificação da doença em estágio avançado é o principal motivo para que 70% das mulheres com casos diagnosticados passem por este procedimento. Pesquisas internacionais apontam: se o tumor é descoberto logo no início – com menos de 2 centímetros – as chances de cura podem chegar a 95%.

Para a SBM, o índice está ligado à dificuldade do diagnóstico precoce e demora ao acesso a consultas, exames, biópsia e tratamento. “Isso é um problema muito ligado à questão econômica com dois problemas básicos: a disponibilidade dos recursos, dos exames, a qualidade dos equipamentos e dos resultados”, disse o presidente da Sociedade Brasileira de Mastologia, Antônio Frasson. Para ele, a limitação do acesso é um problema muito sério no nosso país.

“As mulheres no SUS [Sistema Único de Saúde] passam por uma verdadeira 'via crucis' que é conseguir consulta num posto de saúde, conseguir um pedido de exame e depois realizá-lo. Com o diagnóstico tardio, a agressividade do tratamento é maior”, completou Frasson, ao mencionar que número de mulheres que fazem os exames tem reduzido ao invés de aumentar.

Governo
De acordo com o Ministério da Saúde (MS), Estados e Municípios têm autonomia para organizar a rede de atendimento "e o tempo para realizar diagnóstico depende da organização e regulação desses serviços". "Em 2017, foram realizados no SUS 4,04 milhões de mamografias de rastreamento, sendo 2,6 milhões na faixa etária prioritária preconizada pela Organização Mundial da Saúde, que são mulheres de 50 a 69 anos.

Além disso, também houve aumento de 100% dos valores repassados para exames essenciais para o diagnóstico e para a decisão médica do tratamento dessa doença". Conforme a pasta, o repasse de recursos federais para tratamento passou de R$ 2,2 bilhões em 2010 para R$ 4,6 bilhões em 2017.

Municipalismo
Em 2015, a Confederação Nacional de Municípios (CNM) promoveu levantamento sobre o quantitativo de mamógrafos, uma vez que representa apenas uma das ferramentas à prevenção da doença e de ações de cuidado, que são de responsabilidade dos Municípios. O estudo mostrou satisfatória quantidade de equipamentos disponibilizados pelo SUS, mas a distribuição desses aparelhos é desigual, com a grande maioria concentrada no Sul e no Sudeste, e pequena parte deles destinada ao Norte, ao Nordeste e ao Centro-Oeste.

DivulgaçãoA CNM explica que para garantir o acesso ao exame, o MS indica um mamógrafo para cada 240 mil habitantes. O Brasil tem em média 200 milhões de habitantes, assim seriam necessários 835 mamógrafos para atender toda população. Há no país 4.810 mil aparelhos, mas a informação, infelizmente, não é disseminada, assim como as condições deles. Com isso, a dificuldade de conseguir uma mamografia não é pela falta de aparelhos.

Universalização
Para a Confederação, é necessária uma interferência do Ministério da Saúde junto às secretarias estaduais para estabelecer, de fato, medidas de cuidados e de captação para garantir a descentralização e a universalização do tratamento. Ao mesmo tempo, a entidade lembra, que o próprio governo deve ampliar os Centros e Unidades de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon e Cacon), como forma de garantir tratamento no local adequado e no tempo necessário.

Com informações ABr


Notícias relacionadas