Home / Comunicação / Unidades de conservação em quatro Estados registram focos de incêndio neste mês

Notícias

20/09/2017

Compartilhe esta notícia:

Unidades de conservação em quatro Estados registram focos de incêndio neste mês

Ag. BrasilDurante o período de seca, não é apenas a comunidade que sofre. As queimadas se tornam recorrentes em todo o país. Neste mês de setembro, já foram registrados 44.526 focos de incêndios. Bombeiros e agentes do Instituto Chico Mendes (ICMBio) combatem chamas em quatro unidades de conservação (UCs).

O Parque Nacional da Chapada dos Guimarães, no Mato Grosso, é uma das UCs sofrendo com as queimadas. O incêndio começou no feriado do dia 7 de setembro numa área de morros, e portanto, de difícil acesso. Atualmente, 45 brigadistas do ICMBio e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) estão envolvidos na operação.

Por medidas de segurança, a Trilha das Cachoeiras foi fechada para os visitantes. Até agora, a estimativa de área queimada é de 2.674 hectares. O Parque Nacional da Chapada dos Guimarães está situado entre a Chapada dos Guimarães e a capital do Mato Grosso, Cuiabá. São 32.630 hectares de bioma cerrado.

Minas Gerais e Goiás

Em Minas Gerais, um incêndio tomou o Parque Nacional da Serra da Canastra no dia 11 de setembro. Um grupo de 42 pessoas está mobilizada para conter os avanços do fogo, que afeta a área centro-norte da unidade. Somente neste ano, a área atingida já soma 32 mil hectares. O Parque Nacional da Serra da Canastra foi criado em 1972 e se situa no sudoeste de Minas Gerais. A área do Parque abrange 197.971 hectares de cerrado.

O Parque Nacional do Araguaia, em Goiás, também registra focos de incêndio na região da Mata do Mamão. Ao todo, são 29 pessoas mobilizadas, entre brigadistas do ICMBio e do Ibama, com apoio de um helicóptero. A área atingida por fogo em 2017 é de 213.412 hectares. Criado em 1959, o Parque possui uma área de cerrado com 555.517 hectares, e abrange os Municípios de Pium e Lagoa da Confusão, no Tocantins.

Região Norte

Há o combate de um foco no oeste do Parque Nacional dos Campos Ferruginosos, no Pará. A estimativa de área atingida é de 2.120 hectares. O ICMBio combate ao fogo na unidade, juntamente com o Exército e com Corpos de Bombeiros militares e civis.

O Parque Nacional dos Campos Ferruginosos é uma unidade criada em 2017 e se localiza nos Municípios de Parauapebas e Canaã dos Carajás, no Pará. São 79.029 hectares de bioma amazônico.

Visão municipal

A Confederação Nacional de Municípios (CNM) explica que a área de morros é ambientalmente sensível e sua vegetação desempenha um papel muito importante. Ela “segura” a terra, evitando a erosão. Quando a vegetação é removida, por qualquer que seja o motivo, a chuva causa deslizamentos facilmente. Por esse motivo, essas localidades são protegidas pelo Código Florestal como uma das Áreas de Preservação Permanente (APP)

Por outro lado, as queimadas são devastadoras e provocam enorme perda de biodiversidade. Além da emissão de grandes quantidades de partículas e gases de efeito estufa, modificam o microclima e a paisagem local. Espécies endêmicas, aquelas que só de desenvolvem em um certo local, podem ser eliminadas com os incêndios.

Nos casos em que as equipes locais de combate às queimadas não sejam suficiente, a CNM orienta que o Município declare Situação de Anormalidade, por meio do órgão competente de Defesa Civil. Assim, o governo poderá avaliar o envio de auxílio adicional.

Agência CNM, com informações da Agência Brasil

 


Notícias relacionadas